fotodivulgacao2 concha concha.jpg

Oráculo COncha

O Oráculo CONCHA é uma onda. 

Cada vez que alguém toca nele, recebe, imediatamente,  uma profusão de amor, um jorro de coragem, força, entusiasmo, ousadia e amor cristalino. Este oráculo é um abraço do mar: um alento, um colo. 

Esta magia é para todas as pessoas encantadas desse mundo. Para celebrar a nossa persistência e dedicação, para fortalecer a nossa devoção e o nosso rezo. 

A verdade é que não é preciso dizer nada sobre esse oráculo. 

Se você se permitir receber, abrir o seu campo e fizer contato com ele, você vai sentir.

Confio muito.

Simples assim.

Esse é um brinquedo relacional e uma ferramenta de conexão com o seu poder pessoal e a sua intuição.

É um grimório e um condão de belezas e feitiços.

Carrega consigo os espíritos da natureza, da Mata Atlântica, dos rios e oceanos, da cultura popular, da poesia, das folias e folguedos, de um Brasil profundo e encantado.

Isso existe.

fundoazul.jpg
foto divulgacao mariposaatriztrapezista.jpg

descritivo do produto:

 

O Oráculo CONCHA é composto por: 

. 22 cartas

. 1 livro guia

. 1 caixinha

 

Idealizado, sonhado e escrito por Nathália Lima Verde e ilustrado pela artista Martina Carvalho.

 

O livro guia traz o significado das cartas, atos mágicos e rituais, além de uma introdução, sugestões sobre a tiragem das cartas, um glossário, e um rezo inaugural. 

A primeira tiragem é pequena e restam

apenas algumas unidades. 

Os envios são feitos uma vez por mês,

na última semana do mês vigente. 

 

DSC00425.jpg

sobre a autora

Nathália Lima Verde

Sou mulher e artista. 

Atriz, escritora e contadora de histórias. 

Estou viva. Todas as minhas pesquisas orbitam ao redor da dimensão encantada da vida.

Seja através do teatro, do cinema, da cultura popular, da espiritualidade, da poesia e dos saberes ancestrais; estou sempre debruçada sobre a magia da natureza, e existindo, através dessas forças atuando em comunhão. 

Sou ativista do imaginário, do sentir e do brincar.

Criei a CONCHA, um movimento de autonomia e emancipação de mulheres, uma experiência artística/cultural, política e selvagem, que tece múltiplas conexões entre os rituais de magia e auto-criação, e um repertório de diversas tecnologias sociais contemporâneas, como a Comunicação Não Violenta e os círculos de Fórum.

Ao longo da minha jornada venho colhendo os tesouros da terra e traçando uma cartografia afetiva e antropológica sobre as Mulheres nas Culturas Originárias e sobre como persistir com uma obra e um caminho autoral, borrando as fronteiras entre a vida e arte. 

Movo estruturas facilitando espaços de prática e experimentação em torno das criações autorais, da escuta e da empatia. Atuo e promovo realidades, Experiências Utópicas, Intercâmbios Culturais e Residências Artísticas entre mulheres de diversos estados e países.

Vivo nas montanhas de Lumiar, no  "Lumi - Laboratório de Utopias", um centro de permacultura social e cultura popular, integrado a Mata Atlântica, ao lado do artista, Surian dos Santos.

Um pouquinho da minha história com os oráculos

 

Em 1994, o meu pai desapareceu. 

Eu tinha 6 anos. 

Nunca mais vi meu pai, depois daquela noite. 

Ele foi, e segue sendo, um grande amor, um grande mistério pra mim. 

À partir da minha perspectiva de menina pequena, o desaparecimento dele foi uma espécie de mágica. E uma coisa que jamais imaginei ser possível, tornou-se uma realidade, da noite pro dia. 

Em seguida começaram as buscas e a minha família passou a procurar pelo meu pai. 

Não havia telefone celular, tão pouco, a internet, então, naquela altura, o que nos restava era a nossa intuição, nossa espiritualidade e a confiança no amor que sentíamos uns pelos outros. 

Passamos anos farejando os rastros do meu pai, em busca de uma pista, de alguma direção onde pudéssemos encontrá-lo. Buscamos por ele, Brasil à dentro, em todos os cantos e direções. 

Isso nos levou de encontro a muitas culturas diferentes: terreiros, centros espíritas, benzedeiras, cartomantes, videntes... e foi assim que eu cresci, durante muitos anos, imersa nesse universo místico e, que foi a maneira que encontramos de encontrar algum consolo, algum conforto. 

Hoje sei que meu pai é um encantado, uma flecha que me impulsionou na direção de todos esses mistérios e magias, porque tinha de ser. 

 

Por causa disso, estive sempre em contato com o intangível, inventando meu pai e dando continuidade ao nosso amor pisciano e transcendente. 

 

O mistério é a minha via de conexão com ele, é onde nos encontramos e seguimos aprendendo um com o outro. 

 

Fui descobrindo ao longo do processo criativo desse oráculo que ele é fruto do meu desejo de compartilhar com as pessoas essa possibilidade da gente se relacionar com algo além da matéria: com as linhas de força que compõe tudo o que existe. 

Afirmar que, SIM, isso é real. E que este poder criativo está disponível. 

 

Um Oráculo é um jeito bem prático e mágico da gente fortalecer o nosso vínculo com o inexplicável, com os encantos da natureza e a nossa própria intuição. 

Desejo que você, que tem esse brinquedo singelo e poderoso nas mãos, possa desfrutar dessa conexão sutil e encantada com os mistérios dos quais somos todos feitos.

7efe4df1-c331-4b0b-8557-3b09b3d85f6a.jpg

sobre a ilustradora

Martina CARVALHO

Sou nascida em Niterói, mas morei alguns anos muito marcantes da minha vida no Uruguai. 

Depois de ter voltado e morado mais uns anos no RJ, fui virar nômade e viajei por alguns anos como artista de rua, fazendo musica latino americana. Da minha última viagem, voltei pro RJ pra visitar e passar uns meses...Cinco anos, e uma Ainê depois (minha filha de 3 anos), hoje sou uma feliz moradora das montanhas do interior do Rio de Janeiro.

Sou uma amante da artes, da música, da dança, das matas, das águas, e do viver simplesmente.  

Desde aqui ilustro contos pra crianças, poesias, livros e também sirvo como meio pra este oráculo encantado da Concha vir ao mundo.

Acredito na força dos pequenos gestos, na magia das pequenas coisas, no amor, e na potência da arte como partes  da formação e também da transformação das pessoas.

A primeira tiragem é pequena e restam

algumas unidades. 

Os envios são feitos uma vez por mês,

na última semana do mês vigente.